Passar para a navegação primária Passar para o conteúdo Passar para o rodapé
Regressar a BLOG

Os quatro vinhos fortificados de Portugal

Portuguese fortified wines

 

O vinho do Porto é o vinho fortificado mais aclamado de Portugal e, indiscutivelmente, um dos vinhos generosos mais populares em todo o mundo. Muitos apreciam a doçura e a complexidade desta bebida frequentemente servida como aperitivo ou, ainda mais comumente, como vinho de sobremesa. Mas será que sabem como surgiu o vinho do Porto ou como distinguir os diferentes tipos de vinhos do Porto de acordo com o gosto pessoal e o orçamento disponível?

O mundo dos vinhos generosos portugueses vai além do Porto e é isso que hoje nos propomos a explorar. O repertório de vinhos generosos portugueses que, à parte do Porto, inclui também o vinho Carcavelos, o vinho Madeira e os vinhos Moscatel do Douro e de Setúbal.

Vinhos fortificados portugueses

O que é um vinho fortificado?

Antes que comece a explorar o tentador mundo dos vinhos fortificados portugueses, queremos primeiro explicar o que é um vinho fortificado.

Vinhos fortificados são aqueles cujo processo de fermentação foi interrompido pela adição de álcool extra. Assim, ao vinho-base, os produtores adicionam uma determinada quantidade de aguardente destilada, como a aguardente vínica, de modo que o vinho acaba com um teor alcoólico significativamente mais alto. Com a adição da aguardente, a fermentação é interrompida, fazendo que os açúcares que com o tempo seriam normalmente transformados em álcool durante esse processo, acabem por permanecer na sua forma mais pura de açúcar, sendo isso o que torna os vinhos fortificados mais doces do que os vinhos de mesa.

Os vinhos fortificados não são o tipo de bebida que normalmente se escolhe para acompanhar uma refeição. São algo que vale a pena dedicar algum tempo para saborear, como aperitivo ou digestivo. São vinhos fortes e bastante doces e, apesar da suavidade na boca, podem ser bastante alcoólicos. Além dos vinhos fortificados portugueses, alguns dos vinhos mais populares em todo o mundo que se enquadram nesta categoria incluem Commandaria da Grécia, Jerez do sul da Espanha, Marsala da Itália ou vermute de várias origens, que consiste em vinho fortificado aromatizado com ervas ou especiarias.

Portuguese fortified wines

 

Como surgiram os vinhos fortificados?

A história dos vinhos generosos é bastante curiosa. Como muitos alimentos e bebidas ao longo da história, os vinhos fortificados não foram uma invenção direta, mas sim uma inovação que surgiu por pura necessidade.

Os comerciantes começaram a adicionar álcool extra aos vinhos de mesa para protegê-los durante as longas viagens de barco. Já no século XVI, vários países do sul da Europa, incluindo Portugal, exportavam os seus vinhos para a Europa e mais além. As viagens que costumavam acontecer de barco à vela eram longas e por águas agitadas, o que tinha um grande impacto na qualidade dos vinhos, que muitas vezes chegavam ao seu destino num estado abaixo do ideal. A refrigeração não existia naquela época e os vinhos também eram transportados em barricas, em vez de após o engarrafamento. Como as barricas não são tão herméticas quanto as garrafas, o vinho tinha tendência a oxidar-se e tornar-se avinagrado. A adição de destilados foi uma forma de contornar essa situação, pois um maior teor de álcool resultaria em menos deterioração.

Quando este método de fortificação de vinhos surgiu não agradou imediatamente a alguns membros da indústria do vinho, que suspeitavam que isto fosse uma forma de adulterar vinhos de má qualidade. Mas a verdade é que, com o tempo, isto resultou em menor desperdício, clientes satisfeitos e no nascimento de um tipo de vinho que hoje em dia é muito apreciado em todo o mundo.

Em Portugal existem quatro tipos de vinhos generosos: Carcavelos, Madeira, Moscatel e Porto.

Dado que estes quatro tipos de vinhos portugueses partilham o rótulo de “vinho fortificado”, têm certamente algumas coisas em comum. Assim como também têm particularidades que os diferenciam e fazem valer a pena explorá-los individualmente. Por exemplo, enquanto os vinhos da Madeira envelhecem em sótãos quentes, os Portos fazem-no em caves mais frias. Mas há muitas outras coisas que os distinguem, desde as regiões onde são produzidos, às castas mais utilizadas. Vamos de seguida adentrar-nos no delicioso mundo dos vinhos generosos de Portugal!

 

Vinho de Carcavelos

a close up of a bottle of wine

 

Começamos por apresentar-lhe o vinho fortificado menos conhecido de Portugal, oriundo de Carcavelos. Esta vila perto de Lisboa é a região demarcada de Portugal mais pequena e uma das menores de todo o mundo! Prova de que a qualidade reina sobre a quantidade, o vinho de Carcavelos é aqui produzido pelo menos desde o século XV e, por ter uma fração de mercado tão pequena, muitos temem que em breve pare de ser produzido e acabe por desaparecer.

O vinho de Carcavelos é produzido na sub-região de Carcavelos em Oeiras, que faz parte da mais vasta região vinícola de Lisboa. Principalmente por causa das pressões do desenvolvimento urbano, os territórios antes cobertos por vinhas foram ficando cada vez menores. Felizmente, o concelho de Oeiras tem nos últimos anos lançado um programa de proteção e promoção do vinho de Carcavelos, uma parte da história do vinho em Portugal que seria uma pena apagar.

O vinho de Carcavelos é produzido a partir de várias castas, com destaque para o Arinto, Galego Dourado e Ratinho. Este vinho, muitas vezes reconhecido pela sua tonalidade de mel, é geralmente fortificado com aguardente da Lourinhã e é melhor apreciado a uma temperatura entre os 10ºC (50ºF) e os 15ºC (59ºF).

Se é um enófilo a visitar Lisboa, recomendamos vivamente que explore o pequeno mas fascinante mundo dos vinhos de Carcavelos. Afinal, Oeiras é uma vila mais próxima depois de Belém, em Lisboa, a meio caminho de Cascais. Aqui pode visitar Villa Oeiras para explorar as vinhas, a adega onde os vinhos envelhecem e também desfrutar de uma prova dos diferentes tipos de vinho de Carcavelos, que costuma envelhecer pelo menos 10 anos em barricas de carvalho de origem portuguesa ou francesa.

🍇 Os principais tipos de uvas utilizadas para a vinificação na região de Carcavelos são Arinto, Boal, Galego Dourado, Negra Mole, Ratinho, Trincadeira e Torneiro.

🍷 Prove o vinho Carcavelos perto de Lisboa no Castiço Wine Bar (Praça Dr. Manuel Rebello de Andrade 3, 2775-596 Carcavelos)

📦 Compre vinho de Carcavelos para levar para casa na Loja da Confraria dos Enófilos do Vinho de Carcavelos (Rua Cândido dos Reis 49, 2780-295 Oeiras)

📍 Visite as vinhas e caves onde é produzido o vinho de Carcavelos na Villa Oeiras (Adega Casal da Manteiga Rua da Mina, Estação Agronómica Nacional, Oeiras)

 

Vinho da Madeira

Portuguese fortified wines

 

O vinho Madeira rivaliza com o Porto como o vinho fortificado mais apreciado e conhecido de Portugal. Originário do arquipélago atlântico da Madeira, o vinho Madeira começou a ser produzido desde que os portugueses chegaram a esta ilha no século XV.

No início, os vinhos da Madeira eram vinhos de mesa tradicionais. Foi após o início da sua exportação que surgiu a necessidade de fortificá-los. A adição de álcool tornou assim o vinho mais resistente às longas viagens, que naquela época aconteciam de barco em águas turbulentas.

No século XVII e até relativamente recente no século XX, alguns vinhos da Madeira eram enviados numa viagem marítima de ida e volta. Isto aconteceu durante as explorações portuguesas e as viagens comerciais que levariam alguns destes vinhos para venda em vários pontos do mundo. Os vinhos que não eram vendidos acabavam por voltar para a sua origem, para serem depois comercializados com o nome de “vinho da roda”. Acreditava-se que o vinho da roda ganhava características únicas nessas viagens, pois o movimento das ondas e as diferenças de temperatura impactavam o processo de envelhecimento do vinho e auxiliavam no desenvolvimento de sabores e aromas agradavelmente peculiares. Esses vinhos eram vendidos a preços elevados, o que inspirou alguns produtores a enviarem as suas barricas para o mar, para imitar estas circunstâncias. Com a posterior invenção do método de estufagem, que iremos explicar mais abaixo, o curioso mas dispendioso e pouco prático vinho da roda, como era conhecido na época, acabou por não sobreviver às inovações.

Os produtores utilizam exclusivamente destilados de uva para fortificar o vinho que, à exceção de algumas variedades que apresentam uma percentagem superior, costumam conter até 17% de álcool. Existem quatro estilos principais de vinho fortificado da Região Demarcada da Ilha da Madeira: seco, meio-seco, meio-doce e doce. Os vinhos mais doces vêem a sua fermentação interrompida pela adição de álcool bastante cedo durante o processo de fermentação do vinho, enquanto os vinhos mais secos são fortificados com adição de álcool após a fermentação.

Atualmente, após a fermentação, a maior parte do vinho Madeira passa pelo menos três meses no processo de estufagem, ou seja, envelhecendo em tanques aquecidos suavemente até temperaturas de 45°C, durante um período de quatro meses. E eis que os açúcares presentes no vinho se vão caramelizando, dando ao vinho Madeira o seu sabor característico. O vinho é essencialmente envelhecido através deste aquecimento controlado, o que contribui para o desenvolvimento do sabor e da estrutura. Este é um processo específico utilizado para o vinho Madeira, que é conhecido como madeirização. Após o processo de madeirização, o vinho apresenta a sua cor âmbar característica.

Outra forma de envelhecimento do vinho é através do método do canteiro, o método tradicional e mais antigo, que é reservado atualmente para os vinhos da Madeira mais nobres. O canteiro refere-se à viga de suporte onde são colocadas as barricas selecionadas para o envelhecimento do vinho. Este processo distinto consiste no envelhecimento dos vinhos em barricas de carvalho por um período mínimo de quatro anos. Durante este tempo, o calor natural do sol que bate no sótão onde estão colocadas as barricas ajuda a aquecer ligeiramente o vinho, auxiliando na sua parcial evaporação e concentração, e desenvolvendo assim a gama de aromas que se espera de um vinho  Madeira de grande qualidade.

As principais diferenças entre os métodos de estufagem e do canteiro são a intervenção humana versus os fenómenos naturais. Embora o método do canteiro seja de fato mais clássico, também se torna mais imprevisível, já que as temperaturas só podem ser controladas movimentando as barricas entre os pisos mais quentes do sótão ou os pisos inferiores mais frios. No final dos anos 1700, o aumento da procura levou ao desenvolvimento do método de estufagem para a produção de vinho da Madeira. Isto permitiu aos vinicultores um controlo mais rígido da sua produção. Enquanto alguns diriam que os vinhos da Madeira de estufagem não têm a mesma riqueza de sabor e aroma dos vinhos de canteiro, a verdade é que são, no entanto, muito agradáveis ​​ao paladar.

Quando for às compras na Madeira, vai encontrar vinhos de diferentes idades, a começar pelos chamados Corrente, que são vinhos que envelheceram pelo menos três anos, e que normalmente são mais usados ​​para cozinhar. Os mais notáveis ​​são aqueles que amadureceram durante mais tempo. Para um Madeira ser considerado vintage, deve envelhecer pelo menos 20 anos em barrica. Se quer compreender como as variedades mais nobres de vinho Madeira são rotuladas, observe que estas podem ser classificadas enquanto:

  • Reserva (Velho): cinco anos é o tempo mínimo de envelhecimento para as variedades nobres;
  • Reserva Velha (Reserva Especial ou Muito Velho): dez anos de envelhecimento apenas com fontes naturais de calor (ou seja, sem método de estufagem);
  • Reserva Extra: vinhos da Madeira envelhecidos durante 15 anos, o que não é tão comum como os vinhos de Reserva Velha ou da próxima categoria;
  • Colheita: vinhos produzidos com a colheita de um único ano, que se destaca pelas suas qualidades excepcionais. Os Madeira Colheita têm que envelhecer por um período mínimo de cinco anos antes do engarrafamento, mas podem na verdade envelhecer mais do que isso.
  • Frasqueira (ou Vintage, fora de Portugal): refere-se aos vinhos da Madeira com pelo menos vinte anos de idade, os quais devem consistir em pelo menos dezanove anos em barrica e mais um ano em garrafa. Dentro de Portugal, não encontrará vinho da Madeira com o rótulo “vintage” uma vez que esta denominação é utilizada exclusivamente para o vinho do Porto. Daí a denominação “Frasqueira”.

A grande maioria do vinho Madeira é feito com a uva Tinta Negra Mole, uma casta tinta amplamente cultivada na ilha da Madeira, popular pela sua doçura. Dado que os Madeira envelhecidos através do método do canteiro são mais sofisticados, os tipos de uva utilizados para estes vinhos tendem a ser também uma seleção das castas mais premium, que incluem uvas brancas como Bual, Malvasia, Sercial, Terrantez e Verdelho.

O Madeira é o vinho com maior longevidade do mundo e pode durar virtualmente para sempre. O Madeira Vintage de 1799 ainda está disponível no mercado e não só pode ser bebido, como pode até ser guardado para mais tarde se conservado de forma adequada.

Portuguese fortified wines

 

🍇 Os vinhos da Madeira mais apreciados são produzidos com castas de uva brancas, sendo os quatro principais Bual, Malvasia, Sercial e Verdelho. Mas, surpreendentemente, a grande maioria do vinho Madeira é feito com a casta tinta Negra Mole – esta representa cerca de 85% de todo o vinho Madeira, embora não necessariamente das categorias mais aclamadas. Se usar o Madeira para cozinhar, para fazer uma sobremesa, temperar um assado ou para fazer um molho para servir com frango, é provável que acabe por usar um Madeira jovem produzido com Negra Mole. Recomendamos vivamente reservar os tipos mais envelhecidos produzidos com uvas brancas para degustar com calma!

🍷 Prove vinhos da Madeira em Lisboa na Prova Enoteca (Rua Duarte Pacheco Pereira 9E, 1400-139 Lisboa)

📦 Compre vinho da Madeira à garrafa em Lisboa na Garrafeira Nacional (Rua de Santa Justa 18, 1100-485 Lisboa)

📍 Se tiver a sorte de viajar até a Madeira, poderá visitar vários produtores de vinho que abrem as suas portas aos apreciadores de vinho que desejam aprender mais sobre o processo de vinificação e fazer provas no local. Estas empresas incluem a Blandy’s, Barbeito, D’Oliveiras (que reúne cinco produtores diferentes de vinho Madeira) e H.M. Borges.

 

Vinho Moscatel 

Portuguese fortified wines

 

De um modo geral, moscatel é um tipo de vinho feito a partir de uvas moscatel, e não é exclusivo de Portugal. Em Portugal, são hoje produzidas duas variedades de vinho moscatel: Moscatel de Setúbal DOC e Moscatel do Douro.

Na zona de Setúbal, perto de Lisboa, a produção de Moscatel divide-se em duas castas, Moscatel de Alexandria e Moscatel roxo, enquanto na região norte do Douro, mais especificamente nas redondezas de Favaios, as uvas Moscatel Petit Grains são utilizadas para este propósito.

Embora Favaios tenha uma boa reputação na produção de vinho Moscatel, ainda é verdade que a popularidade do vinho do Porto na região do Douro acaba por ofuscar um pouco o Moscatel. Por outro lado, na zona de Setúbal, o Moscatel é rei! A Região Demarcada do Moscatel de Setúbal começou a ser protegida e regulamentada em 1907 e tem vindo a fortalecer-se desde então.

Acredita-se que José Maria da Fonseca, o fundador da José Maria da Fonseca, a mais antiga empresa de vinhos de mesa em Portugal que remonta a 1834, terá desenvolvido este estilo de vinho. Ainda hoje, a JMF controla a maior parte da produção de Moscatel de Setúbal.

Tal como os outros vinhos generosos em Portugal, o Moscatel envelhece até ao engarrafamento, podendo ser elaborado com uvas de um único ano ou com um lote de vários anos. O Moscatel é frequentemente pedido em Portugal como aperitivo, a uma temperatura de 10ºC (50ºF). Quando jovem, por volta dos 5 a 7 anos, geralmente apresenta aroma e sabores intensos de flor de laranjeira, frutas cítricas e doce de laranja amarga, com um excelente equilíbrio entre doçura e acidez. À medida que envelhece, o Moscatel tende a escurecer, e o seu sabor lembra mais a nozes, com notas de passas e caramelo.

Portuguese fortified wines

 

🍇 Como o nome indica, o vinho Moscatel é feito exclusivamente com uvas da variedade moscatel.

🍷 Pode pedir Moscatel de Setúbal ou do Douro no centro da cidade de Lisboa na maioria dos restaurantes e cafés convencionais.

📦 Compre Moscatel para levar para casa na abrangente Garrafeira Nacional acima referida ou na Garrafeira Estado D’Alma (Rua Alexandre Herculano 45A, 1250-189 Lisboa)

📍 Faça uma viagem rápida de Lisboa a Azeitão (menos de uma hora em transportes públicos) e visite alguns dos mais reconhecidos produtores de Moscatel de Setúbal, que incluem a Bacalhôa, a Casa Ermelinda Freitas e José Maria da Fonseca, entre outros. Se for até ao norte, ao Douro, não deixe de visitar a Adega de Favaios.

 

Vinho do Porto

Portuguese fortified wines

 

Por último, mas não por isso menos importante, vamos explorar o mais procurado dos vinhos generosos portugueses, o vinho do Porto. Este vinho é produzido exclusivamente na zona norte do Vale do Douro, que é a terceira região vinícola protegida mais antiga do mundo, depois da região de Tokaj-Hegyalja na Hungria e Chianti na Itália. Na época do Marquês de Pombal, já em 1756, foi fundada a Companhia Geral de Viticultura do Alto Douro (conhecida internacionalmente como Douro Wine Company) com o objetivo de regulamentar as práticas vitivinícolas da região e assim controlar a qualidade dos produtos aqui produzidos.

A popularização do vinho do Porto teve início no estrangeiro quando os comerciantes britânicos começaram a exportar este vinho em barricas, já nos anos 1700. O envolvimento britânico no comércio de vinho do Porto foi tão significativo ao longo dos anos que uma rápida pesquisa das marcas de vinho do Porto revelará muitos nomes ingleses versus portugueses.

O clima específico em torno do rio Douro, no norte de Portugal, é favorável ao cultivo das uvas utilizadas na produção do vinho do Porto. As variedades mais cultivadas para o vinho do Porto são Tinta Barroca, Tinto Cão, Tinta Roriz, Touriga Franca e Touriga Nacional.

Atualmente, o vinho do Porto pode ser branco, tinto ou rosé. Embora os Portos tintos não sejam o único tipo de vinho do Porto disponível, são de facto os mais tradicionais e mais comuns e podem ser organizados em duas categorias com base nas características de produção, processo de envelhecimento e estilo:

  • Ruby: a mais jovem das variedades de vinho do Porto, facilmente reconhecida pela sua cor vermelha intensa, tal rubi, e sabor frutado. Os Ruby Premium são envelhecidos em madeira por períodos de até seis anos. No mundo dos Portos, a classificação de “vintage” não se refere à idade do vinho. Dentro da categoria de Porto Ruby encontrará vinhos rotulados como Vintage e LBV. O Porto Vintage é inteiramente elaborado com uvas de um ano de vindima declarado vintage, destacando-se como tal pelas suas qualidades excepcionais. Naturalmente, nem todos os anos são declarados vintage na região do Douro e, por isso, os Portos Vintage têm um preço elevado. O Porto Late Bottled Vintage (LBV) é também um vinho de um único ano, neste caso sempre engarrafado quatro a seis anos após a vindima.
  • Tawny: após o envelhecimento em barricas de carvalho durante dois a três anos, o Porto Tawny é transferido para barricas de carvalho francês. Consequentemente, e por ter maior contato com a madeira, envelhece mais rápido e o seu sabor acaba ser mais complexo, com um ligeiro travo a nozes. Os Portos Tawny mais excepcionais podem ser envelhecidos até 40 anos.

Quando se trata de Portos brancos, a categorização é feita de forma diferente, e neste caso com base nos níveis de doçura do vinho. Os estilos apresentados são seco, semi-seco e doce. O vinho de um único ano é classificado como Colheita. Os Portos Brancos Colheita são mais raros do que os Tawny Colheita (ou Vintage, também conhecidos como Porto Colheita Única), pelo que adquirem mais valor com base na sua excepcionalidade.

O mundo do vinho do Porto é vasto e complexo e melhor compreendido com um copo na mão. Embora tradicionalmente o vinho do Porto seja mais associado aos vinhos tintos, tal como mencionado acima, existem também vinhos do Porto das variedades branca e rosé que valem muito a pena. Nos últimos anos, os produtores de vinho do Porto em Portugal têm vindo a esforçar-se para cativar um segmento mais jovem de consumidores que tradicionalmente não optariam por bebidas com um ar sério como o vinho do Porto. Hoje em dia pode pedir um Porto tónico em qualquer cocktail bar, sendo esta uma bebida bem refrescante que recomendamos para quem usualmente gosta de gin tónico. ​Se deseja saborear um vinho do Porto rosé, sugerimos que o peça como aperitivo antes da refeição, tal qual um Martini. Embora haja de fato Portos tintos divinais, concentrar-se apenas neste tipo de vinhos seria uma limitação que o impediria de provar a incrível variedade de vinhos fortificados que Portugal tem para oferecer!

a close up of a barrel

 

🍇 Mais de cem tipos de uvas têm autorização oficial para uso na produção de vinho do Porto, conforme formalmente declarado pelo Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, que faz parte do Ministério da Agricultura de Portugal. Mas na prática, apenas algumas variedades são amplamente cultivadas para a produção deste vinho. Nas categorias tintas podemos encontrar Tinta Barroca, Tinto Cão, Tinta Roriz (também conhecida como Aragonez no Alentejol e Tempranillo em Espanha), Touriga Francesa e Touriga Nacional. Já nos vinhos do Porto brancos, uvas como Donzelinho Branco, Esgana-Cão, Folgasão, Gouveio, Malvasia Fina, Rabigato e Viosinho  compõem o grosso da produção. Quer sejam tintos, brancos ou rosés (também produzidos com castas de uvas tintas e obtendo a sua chamativa cor através da inclusão da casca da uva nas fases iniciais do processo de produção do vinho), todos os Portos disponíveis no mercado são um blend de diferentes tipos de castas de uva.

🍷 O vinho do Porto também pode ser degustado na grande maioria dos restaurantes e wine bars de Lisboa. Para uma experiência específica desta marca dirija-se à Sala Ogival da Viniportugal (Praça do Comércio, 1100-148 Lisboa) ou ao Taylor’s Port – Wine Shop & Tasting Room (Rua Cais de Santarém 8, 1100-104 Lisboa)

📦 Explore o mundo dos vinhos do Porto e faça a difícil escolha de levar uma ou algumas garrafas para casa, vasculhando a selecção da Manteigaria Silva (Rua D. Antão de Almada 1 C e D, 1100-197 Lisboa)

📍 Uma viagem ao Porto demora apenas cerca de 3 horas desde Lisboa, de carro ou comboio. Recomendamos vivamente que visite a segunda maior cidade de Portugal e a região norte do país que, para além de ter os seus encantos únicos, é onde se encontram as caves de muitos produtores deste vinho, na margem sul do Rio Douro, mais especificamente em Vila Nova de Gaia. Vinhas pitorescas que pontuam as margens do rio Douro podem ser visitadas para aprender mais sobre a arte de fazer vinho do Porto. Visite o site do Turismo de Portugal para mais detalhes sobre a Rota do Vinho do Porto e Douro.

 

Se gosta de degustar vinhos diferentes, não deixe de experimentar estes quatro vinhos generosos quando estiver em Portugal. Recorde que além de poder provar as diferentes variedades por si só, também vale a pena saborear estes vinhos generosos misturados com outras bebidas. Não fique com sede e prove tudo a que tem direito. Saúde!

Vamos adorar ver as fotografias, impressões, sugestões, dúvidas, manifestação de desejos das suas experiências gastroculturais em Lisboa e em Portugal. Partilhe connosco no  FacebookInstagram ou Twitter. Por favor tague-nos: @tasteoflisboa  #tasteoflisboa.

 

Continue a alimentar a sua curiosidade pela cultura gastronómica portuguesa:

Breve introdução ao vinho português (e às regiões vinícolas em Portugal)

Açores e Madeira: descubra os vinhos das ilhas portuguesas

9 harmonizações de snacks e vinhos portugueses que o vão surpreender

10 queijos portugueses que tem de provar

 

Pessoas genuínas, comida autêntica. Venha connosco onde os portugueses e lisboetas vão! 

Reserve o seu lugar na nossa próxima experiência gastronómica & cultural.

Siga-nos para mais em InstagramTwitter e Youtube

 

Skip to toolbar